Responsáveis:

  • Psicóloga Cláudia Gaspar
  • Psicóloga Estagiária Pedrina Leal

 


Bem vindo/a ao (E)Motions Room!

Criamos este espaço a pensar em ti.

Sabemos que o dia-a-dia de um/a jovem como tu nem sempre é fácil de gerir. Tens que responder às exigências da escola, da tua família, dos teus amigos, do/a teu/tua namorado/a… Por vezes sentes que não tens tempo para tudo, que gostarias de chegar a todo o lado ou simplesmente desligar do mundo, verdade? Provavelmente até já tiveste alguns momentos em que sentes o peito a apertar e o coração acelerado, em que parece que o ar não te chega para encheres os pulmões e respirares.

Aqui neste espaço vamos ajudar-te a lidar com estas emoções e a geri-las da melhor forma para que possas viver de uma forma mais tranquila e aproveites da melhor maneira a melhor fase da tua vida!

Semanalmente iremos publicar informação sobre diversas temáticas ligadas às emoções e à adolescência, estratégias de gestão emocional, técnicas de relaxamento, dicas e conselhos.

Tens também à tua disposição o nosso email para onde poderás enviar as tuas dúvidas e questões: emotionsroom@aedpacheco.edu.pt

Este email é apenas dirigido às psicólogas.

Estamos aqui para ti!

“E não sei o que sinto, não sei o que quero sentir, não sei o que penso nem o que sou.

Verifico que, tantas vezes alegres, tantas vezes contente, estou sempre triste.

Não vejo, sem pensar.

Não há sossego - e, ai de mim!, nem sequer há desejo de o ter.”

 

(Bernardo Soares, heterónimo de Fernando Pessoa in Livro do Desassossego)

  

            Depressão, um dos maiores problemas de saúde pública do Mundo…

            Haveria muito para falar sobre depressão mas hoje apenas queremos deixar-te alguns factos e uma história contada na primeira pessoa.

 

            1- Mais de 264 milhões de pessoas de diferentes idades sofrem de depressão em todo o mundo.

            2- A depressão é uma das principais causas para a incapacidade.

            3- As mulheres são mais afetadas que os homens.

            4- A depressão pode levar ao suicídio e em jovens abaixo dos 25 anos, o suicídio é a terceira causa de morte.

            5- A depressão está também associada a dificuldades nas relações interpessoais e no desempenho académico, ao aumento do risco de abuso de substâncias e ao comportamento agressivo.

            6- Um estudo realizado em Portugal em 2018 concluiu que 1 em cada 4 adolescentes entre os 12 e os 18 anos apresenta sintomas depressivos.

            7- Existem tratamentos psicológicos e farmacológicos para a depressão.

Olá!

           Começamos a nossas partilhas com um vídeo de uma jovem influencer que decidiu mostrar como a sua vida não é apenas composta de glamour, como mostram a maioria dos seus vídeos. A Jéssica foi muito corajosa e contou aos seus seguidores como é viver diariamente com a ansiedade.

          Decidimos começar por abordar este tema porque sabemos que é algo que todos/as os/as jovens sentem, mais tarde ou mais cedo, na sua vida.

           Mas o que é a ansiedade?

           Durante a adolescência, a ansiedade surge como uma emoção normal que permite aos adolescentes adaptarem-se a situações novas, inesperadas ou perigosas e, para a maioria dos jovens, a ansiedade é uma experiência comum, funcional (útil) e transitória (passageira), cuja origem e intensidade variam de acordo com o estádio de desenvolvimento em que se encontram. No entanto, a ansiedade pode aumentar de intensidade e tornar-se crónica e disfuncional, afetando o seu desenvolvimento sócio-emocional.

           Como se manifesta a ansiedade?

           A ansiedade pode manifestar-se de várias formas, a nível físico e cognitivo.

          Podem ainda ocorrer diferentes sintomas em simultâneo e embora existam sintomas mais frequentes, pessoas diferentes sentem a ansiedade de forma diferente.

          Para que possas identificar situações de ansiedade, deixamos-te uma lista dos principais sintomas, físicos e psicológicos.

  

          Sintomas psicológicos:

          Apreensão

          Medo

          Angústia

          Inquietação

          Insónia

          Dificuldade de concentração

          Incapacidade de relaxar

          Sensação de estar "no limite"

          Preocupações com desgraças futuras

          Pensamentos catastróficos, de ruína ou adoecimento…

 

          Sintomas físicos:

          Suor excessivo

          Falta de ar

          Hiperventilação (respiração acelerada)

          Boca seca

          Sensação de dormência ou formigueiro

          Náuseas

          "Borboletas" no estômago

          Ondas de calor

          Calafrios

          Tremores

          Tensão muscular

          Dor ou aperto no peito

          Taquicardia (coração acelerado)

          Sensação de desmaio

          Tonturas

          Urgência para ir ao WC...

  

          O que pode desencadear a ansiedade?

           Como já referimos, a ansiedade está associada a períodos de adaptação nos motiva a agir ou a procurar mais e melhor no dia a dia. Esta não é, no entanto, patológica, embora possa originar outros problemas, ou evoluir para patologia ansiosa, caso o nível de intensidade aumente.

          Existem diversos estímulos que podem desencadear os momentos de ansiedade, tais como:

          - Condições físicas/biológicas (ex: alterações hormonais, doenças);

          - Contexto profissional (ex: possibilidade de desemprego) ou académico (ex: momentos de avaliação, tomadas de decisão sobre o percurso escolar);

          - Fatores familiares (ex: divórcio, violência doméstica);

          - Dilemas pessoais (ex: orientação sexual);

          - Situações sociais (ex: problemas com amigos);

          - Situações de infância (ex: negligência);

          - Entre outros, como eventos decorrentes de catástrofes, incidentes / acidentes graves e traumas.

          Pode também decorrer de medos, pensamentos negativos, incertezas sobre o futuro ou situações de exposição perante os outros.

 

          Por vezes os jovens não conseguem, conscientemente, identificar, qual ou quais os factores que estão na origem da ansiedade que sentem, pois aparentemente, não existem “problemas” na sua vida… Mas na verdade continuam ansiosos. Neste sentido, é importante procurar ajuda! Esta ajuda pode passar por falar com um bom amigo, com os pais, com um professor ou com um psicólogo.

 

          Se sentes que andas ansioso/a e não estás a saber lidar com isso, podes contactar-nos através do nosso email - Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.  

Pág. 2 de 2

projetos